São Paulo / SP - segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Gestação: Hidroginástica

 

Praticar hidroginástica durante a gravidez aumenta em até 21,5% o volume de líquido amniótico, segundo estudo realizado pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Participaram do estudo 25 gestantes sadias, com idade entre 19 e 36 anos, no Hospital das Clínicas de Campinas. Foram excluídas do estudo mulheres com antecedentes de duas ou mais cesáreas, gravidez de risco ou em condições de contra-indicação para a prática de atividade física, como hipertensão arterial e história de abortos de repetição.

Segundo o professor José Guilherme Cecatti, orientador do estudo, as gestantes foram submetidas a aulas de hidroginástica três vezes por semana. O volume de líquido amniótico era medido antes e depois de uma aula com duração de 50 minutos.

Entre as mulheres analisadas, nenhuma teve parto prematuro e nenhum bebê nasceu com baixo peso. Além disso, todas as mães conseguiram manter o ganho de peso considerado ideal durante a gravidez.

Existem outros estudos mostrando que as gestantes que realizam atividades físicas na água são mais preparadas para suportar a dor durante o trabalho de parto em comparação com aquelas que não praticam este tipo de atividade física. Além disso, as que fizeram hidroginástica reduziram os desconfortos lombares do final da gravidez.

A produção e a absorção do líquido amniótico dependem de uma série de mecanismos interdependentes entre o feto, a placenta, as membranas e o organismo materno. Entre as suas principais funções, destacam-se o crescimento externo simétrico do embrião, barreira contra infecções, proteção do embrião contra traumatismos sofridos pela mãe, auxílio no controle da temperatura corporal do feto. Também permite que o feto se mova livremente, contribuindo para o seu desenvolvimento muscular.

 

Fonte: Unicamp